segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Subconsciente

Venho controlando minhas ações, meus olhares, meus passos. Os pensamentos tento controlá-los ocupando minha mente com outras coisas, coisas que não me lembrem nem de longe você... Eu estava obtendo sucesso até então. E das vezes que gasto minha saliva para fazer um pequeno comentário da sua pessoa, à noite meu subconsciente processa todos os meus desejos e palavras que talvez só disse para mim mesma, lutando para repudiá-las para bem longe. Eu não consegui vencer esta batalha, meu bem. Realmente não consegui. Além de ter sonhado com você, aconteceu algo estranho nisso tudo. Geralmente quando eu sonho e tenho a oportunidade de no sonho fazer o que na vida real eu não teria coragem, eu não o faço. Mas veja bem, dessa vez eu tentei até em sonho controlar tudo o que seria fictício e acabei cedendo. Meu subconsciente lutou com ele mesmo, em sonho. Mas por que cedi? Não sei. Nem me lembro muito se me senti culpada. Talvez pensei: Culpada só se for pelo o que sinto aqui por ti. Realmente sou culpada. E que tolice é essa do gostar. Não tenho motivo algum para gostar de você. Você tem mais contras do que prós. Talvez a única coisa que explicaria toda essa complexidade do meu querer que tento esconder é como já disse Arnaldo Jabor na Crônica do Amor:

Ninguém ama outra pessoa pelas qualidades que ela tem, caso contrário os honestos, simpáticos e não fumantes teriam uma fila de pretendentes batendo à porta.
O amor não é chegado a fazer contas, não obedece à razão. O verdadeiro amor acontece por empatia, por magnetismo, por conjunção estelar.
Ninguém ama outra pessoa porque ela é educada, veste-se bem e é fã do Caetano. Isso são só referenciais.
Ama-se pelo cheiro, pelo mistério, pela paz que o outro lhe dá, ou pelo tormento que provoca.
Ama-se pelo tom de voz, pela maneira que os olhos piscam, pela fragilidade que se revela quando menos se espera.

Você ama aquela petulante. Você escreveu dúzias de cartas que ela não respondeu, você deu flores que ela deixou a seco.
Você gosta de rock e ela de chorinho, você gosta de praia e ela tem alergia a sol, você abomina Natal e ela detesta o Ano Novo, nem no ódio vocês combinam. Então?
Então, que ela tem um jeito de sorrir que o deixa imobilizado, o beijo dela é mais viciante do que LSD, você adora brigar com ela e ela adora implicar com você. Isso tem nome.
Você ama aquele cafajeste. Ele diz que vai e não liga, ele veste o primeiro trapo que encontra no armário. Ele não emplaca uma semana nos empregos, está sempre duro, e é meio galinha. Ele não tem a menor vocação para príncipe encantado e ainda assim você não consegue despachá-lo.
Quando a mão dele toca na sua nuca, você derrete feito manteiga. Ele toca gaita na boca, adora animais e escreve poemas. Por que você ama este cara?
Não pergunte pra mim; você é inteligente. Lê livros, revistas, jornais. Gosta dos filmes dos irmãos Coen e do Robert Altman, mas sabe que uma boa comédia romântica também tem seu valor.
É bonita. Seu cabelo nasceu para ser sacudido num comercial de xampu e seu corpo tem todas as curvas no lugar. Independente, emprego fixo, bom saldo no banco. Gosta de viajar, de música, tem loucura
por computador e seu fettucine ao pesto é imbatível.
Você tem bom humor, não pega no pé de ninguém e adora sexo. Com um currículo desse, criatura, por que está sem um amor?
Ah, o amor, essa raposa. Quem dera o amor não fosse um sentimento, mas uma equação matemática: eu linda + você inteligente = dois apaixonados.
Não funciona assim.
Amar não requer conhecimento prévio nem consulta ao SPC. Ama-se justamente pelo que o Amor tem de indefinível.
Honestos existem aos milhares, generosos têm às pencas, bons motoristas e bons pais de família, tá assim, ó!
Mas ninguém consegue ser do jeito que o amor da sua vida é! Pense nisso. Pedir é a maneira mais eficaz de merecer. É a contingência maior de quem precisa.

Me diz o que eu faço para não pensar em você. Me diz o que eu faço para não sentir ciúmes. Me diz, apenas me diz. Por favor, dê-me licença para eu pensar, sentir, sonhar e viver em paz? Se isso é muito, te proponho uma troca. Te dou cada pedaço desse sentimento que você provocou e você traz a minha vida normal de volta, a minha serenidade, a minha razão.

2 comentários:

Geovanni Garcia Ferraz disse...

Essa menina ainda diz que não está apaixonada...
rsrsrsrs.Sei,Jaqueline.Também acredito em Papai Noel

mirelatomazsnts disse...

ôh amiga é tão triste,mas tão lindo ao msm tempo q dá vontade até de se apaixonar,é aquela velha história o coração é igual mulher de bandido se acostuma a sofrer,kkk,xeru linda...