quinta-feira, 28 de abril de 2011

Jardimigo

Com certeza todos já leram um texto em que "o segredo não é correr atrás das borboletas e sim preparar o jardim para que elas venham até você". Já li também numa agenda antiga que "não fazemos amigos, os reconhecemos". Tenho comparado as borboletas aos amigos. Damos alguma atenção e importância a um alguém que quase nunca dá sinal de vida para você, quanto mais saber como foi seu dia, sua semana ou sequer o último mês. Sentimo-las meio distantes, quiçá um pouco isoladas ou ocupadas pela correria. Buscamos contato, fazemos convites, que são respondidos animadamente, mas pela falta de atitude, se esfria tão rápido quanto veio a suposta animação. Eu entendo que de fato há uns amigos que quase nunca encontramos pessoalmente e a Lei de Murphy mostra sua existência ao tentarmos. Mas pela relação e importância que temos pela pessoa, principalmente quando a vemos, falando até que raramente pelo celular ou mais frequentemente pela internet, temos a certeza que é sincero, recíproco e tão simples como quando uma borboleta depois de tanto voar, levemente para. Tomar fôlego? Sol? Apenas uma pausa para continuar seu rumo? A verdade é que não se vive sozinho, precisamos de amigos. E de fato mais sentimos isso em relação ao dia-a-dia, das coisas que vivenciamos e quereremos contar para alguém. Compartilhar pensamentos, vai-e-vem de sorrisos e palavras de conforto quando buscamos, ainda que o silêncio, mas a presença. Se alguém é importante para você, não custa nada fazer sinais de fumaça vez ou outra. Não é tão difícil isso hoje em dia, não é mesmo? Porque eu bem sei que há pessoas na nossa vida que são indispensáveis, vulgo nossos amigos. Uns não vão estar conosco fisicamente tantas vezes, mas pelos que estão me acompanhando nesse voo para não só apenas apreciar a vida, mas vivê-la - e não sozinha, é muito bom saber que existe mais que uma borboleta para se alegrar um ambiente, é o que dá cor a vida. Afinal, o que seria da gente sem a leveza de ter um amigo e fortalecer esses laços no hoje? Ontem já foi. E amanhã, espero que eu reconheça cada vez mais amigos que se escondiam pelo meu jardim.

3 comentários:

Sheyla Mayra disse...

às vezes as borboletas não são amarelinhas e bonitinhas, tem vezes que elas têm um aspecto feio e que dá um "medinho" e a gente meio que não consegue chegar perto dela sem esforço, mas quando chegamos, vemos que ela era querendo ou não,uma borboleta, feliz e saltitante como a amarelinha bonitinha. Tem amigos que são assim tbm, por um motivo ou outro a gente não sente vontade de nos aproximar deles, mas quando o fazemos, descobrimos tantas coisas boas e vemos que estávamos perdendo a oportunidade de ter mais um amigo...
Eu fico muito feliz por ter você como borboleta, digo, amiga, jaque! :)

Nádilla Camila disse...

Mas, alguma borboleta também possa estar com medo de chegar perto pq você é ''grande'' demais, posso ser uma dessas borboletas escondidas - mas estou sempre observando a sua grandiosidade como pessoa e amiga qe você sempre foi,jaqueline.

Pimentel disse...

Borboletas podem ser comparada aos amigos. Estas gostam de um jardim florido, rico, alegre, vivo e isso as atrai. Da mesma forma é um ciclo de amizade. Atraímos o que/quem cultivamos, somos quem somos e talvez, não seja todas as pessoas do mundo que vão gostar de você, mas é claro que as verdadeiras sempre estarão ao seu lado. Muito lindo o texto, beijinho ;*